top

Principal

Blog

MAI 14 2012
Comentar Busca Avancada Em PDF

Instalar os drivers ou impressora HP OfficeJet Pro 8100 e 8600 no Windows XP 64 bits

Para quem precisa fazê-lo e não encontrou o link para download no site oficial da HP, não se desespere, e não adianta solicitar assistência a eles. Passei por este problema e contactei a HP do Brasil, que nem oferece a opção no site para este sistema, e eles me disseram que não dão suporte. No site versão inglês, tanto da Inglaterra como dos Estados Unidos, há um links, porém quebrados. Solicitei via e-mail assistência, mas eles me confirmaram que não havia drivers para o XP 64bits para esta impressora. Uma pena, pois para a Pro 8000 (modelo anterior) havia.

Bom, como acho que pouquíssimas pessoas vão ter este problema, até porque raras pessoas usam o XP 64bits, vou fazer uma explicação bem rápida e direta, se por acaso houver procura e tempo (da minha parte), eu detalho e coloco capturas de tela! Com estes passos consegui imprimir normalmente com a impressora ligada à rede sem fio, porém as configurações já tinham sido feitas por completo em outra máquina.

  1. Vá ao site da HP procure os drivers básicos para da Pro 8100 para o Windows Vista 64bits - download direto
  2. Com o pacote executável baixado, extraia os arquivos para uma pasta (pode ser feito com o winrar)
  3. Entre na central de impressoras e de fax do sistema (start -> conf., -> printers...) e inicie o assitente de adição (wizard)
  4. No assistente selecione impressora localmente conectada (padrão) e desative a conexão automática "plug and play", avance
  5. Selecione criar nova porta e no menu flutuante escolha "Standard TCP/IP port", avance
  6. Uma nova janela vai abrir, avance, e na requisição de endereço IP digite o endereço no primeiro campo; o segundo é completado automaticamente quando finalizado corretamente o IP, avance e conclua
  7. Na nova janela você precisará escolher drivers para a porta, acione o botão "with disc" e na tela seguinte procure a pasta onde está o conteúdo extraído do instalador baixado no site da HP. O instalador encontra o Autorun.inf, então dê OK e prossiga.
  8. Nas telas seguintes o assistente perguntará se deseja manter o driver original ou substituir, escolha substituir ou "replace...", escolha também se deseja fazer a impressora padrão, etc, etc, até concluir.

É isso, se sua impressora estava configurada corretamente na rede você deverá estar apto a imprimir, se desejar, faça o teste de impressão. Eu não consegui fazer a conexão usando o nome do nó, ou do dispositivo, apenas com o endereço IP estático, pelo menos por enquanto.

Newsletter
Assunto: Software | Comentários(0) | Postado por André EXPANDIR
MAI 04 2012
Comentar Busca Avancada Em PDF

Carregador e chave geral para baterias automotivas (DX SKU 55157 e SKU 22003)

Se você já teve a bateria arriada, deve saber o quanto isso é desagradável. Geralmente isso acontece por descuido, por esquecer alguma coisa ligada como os faróis ou o som automotivo. Além disso, há casos de pessoas que viajam, e deixam seus carros parados por um tempo maior, é batata, especialmente se a bateria já não estiver novinha, você vai ficar na mão quando precisar dar a partida!

Essas descargas acentuadas na bateria são muito prejudiciais, aliás, uma bateria nunca mais volta a ter a mesma durabilidade quando ela já sofreu uma descarga completa, isso porque as células que ela contém, que são formadas por placas metálicas e uma solução eletrolítica, não voltam a ter a mesma agregação perfeita, como acontece quando elas estão novas, mesmo que elas sejam recarregadas.

estrutura de uma bateria

Eu já perdi duas baterias assim, antes de conhecer este produto no DX, tenho um carro tipo "coleção" que fica quase sempre parado, as descargas eram inevitáveis, mesmo quando dando partida semanalmente; o carro precisaria ficar funcionando um bom tempo para que a bateria estivesse sempre em um nível alto de carga. Fico imaginando quem tem vários carros de coleção, ou bonados que têm carros a perder de vista, provavelmente fica alguém só por conta de cuidar destes carros.

Bom, para os pobres mortais, existe dois produtos que podem resolver este problema a um custo realmente imbatível. Um deles é a chave geral, o outro é um carregador de baterias. Cada qual tem seu preço e suas características, vantagens e desvantagens, veja:

  • Chave geral: Exige instalação e cabo adicional, não precisa de energia próxima para funcionar
  • Carregador: Não exige instalação, apenas a ligação correta diretamente na bateria, precisa de uma tomada nas proximidades, leva um certo tempo para que a recarga finalize

Eu particularmente utilizo os dois produtos, até porque o carregador de baterias pode ter outras finalidades. Por exemplo pra quem for utilizar o aparelho de som automotivo durante um bom tempo sem que o carro esteja funcionando, este é um recurso necessário, se não quiser diminuir a vida útil da bateria. Vai servir muito bem para quem não tem um som muito potente, pois a corrente de saída é limitada a 1A, ideal para cargas lentas.

carregador funcionando

O carregador de baterias vem com dois plugues, um tipo jacaré, que vai nos pólos da bateria, e o outro se encaixa na tomada 12v interna, aquela que é usada para esquentar o acendedor de cigarros. Para um leigo é bem mais cômodo usar a tomada interna, mas não é todo carro que funciona carregar pela tomada 12v do carro, alguns deles, o meu inclusive, cortam a ligação com a parte elétrica do carro quando a primeira fase da ignição não está ativada, ou seja, não haveria contato.

indicando carregando

Ele também tem um ótimo comprimento de cabo, sendo suficiente para alcançar a bateria caso tenha uma tomada na parede da garagem. Esta solução também tem a ligeira vantagem de não desconfigurar horário ou dados do computador de bordo, quando presente no automóvel. Nele existe três luzes indicativas, de funcionando porém sem carregar, carregando, e de corrente inversa (se houver alguma outra fonte muito forte de carga funcionando em paralelo).

Já a chave geral precisa de instalação, e obviamente algumas ferramentas básicas para a retirada e aperto das conexões dos cabos (chave 13 e 14 basicamente). Existem duas formas de se instalar, uma colocando a chave entre o pólo positivo e o cabo correspondente, e a outra colocando a chave entre o pólo negativo e o chassi do automóvel (lata).

fases da instalacao

Procurei saber com um amigo em uma auto-elétrica, e ele me convenceu de que instalar no pólo negativo é mais seguro, isso porquê não será necessário grande esforço para isolar os terminais da chave, afinal o chassi e todas as carcaças de equipamentos no carro são ligadas ao negativo, se caso encostarem nada acontecerá; porém se na chave houver a tensão do pólo positivo, uma faísca bastante luminosa vai surgir, o risco de incêndio é grande, e provavelmente a bateria será danificada. Além disso, a corrente no terminal negativo da bateria é menor do que a do positivo, evidenciado pela diferença na espessura dos cabos dos mesmos (o alternador também "gera negativo" quando em funcionamento), isso fará com que a chave seja mais exigida caso seja ligada entre o pólo positivo e o cabo.

chave separada

Com este amigo também soube que se usa este mesmo dispositivo para proteção, especialmente em máquinas agrícolas deixadas no campo ou barcos à deriva. Isso porquê a parte superior que faz o contato é removível. O contato é feito ao girar a manopla, e ao retornar e puxar as duas partes da chave se separam.

Este é um vídeo que eu fiz de demonstração do princípio, não é tão informativo, mas dá noção geral de como ela deve ser instalada!

 

 

Divirta-se!

Newsletter
Assunto: Comprei na China | Comentários(3) | Postado por André EXPANDIR
MAI 01 2012
Comentar Busca Avancada Em PDF

Alternativas ao CorelDraw, desenho vetorial para Linux

É comum ainda vermos bastante perguntas em fóruns especializados, sobre alternativas livres para os programas mais comuns (e parrudos) para Linux. Pensando nisso posto agora uma avaliação das opções mais cotadas do Corel Draw, como substituição à esta postagem, que na verdade já está obsoleta, pois agora temos ferramentas que automatizam a configuração do Wine, como o winetricks e o PlayOnLinux.

Bom, captamos algumas opções, e analisamos:

  • Xara Xtreme 0.7 (xaraxtreme.org)
    • Versão portada do Windows para Linux, roda em Linux, FreeBSD e uma versão para OS-X está em desenvolvimento. Desenvolvido em G++ seu ponto forte é performance, e o ponto fraco é não possuir tradução para o Português.
  • Inkscape 0.48.2 (inkscape.org)
    • Mais famoso software livre do gênero, possui grande comunidade, documentação, traduções e roda em quase todas as plataformas (Unix, Windows e OS-X). Escrito em C/C++ porém com partes em Python, especialmente para desenvolvimento e testes; muito estável e completo.
  • Skencil 0.6.17 (skencil.org)
    • Desenvolvido numa linguagem moderna, Python, porém dependente de versões 2.6 para baixo. Foi bastante complicado rodar este software no Ubuntu, bem diferente dos seus concorrentes, não o encontrei nos repositórios oficiais, mas existe um .deb disponível por aí. Roda em quase todas plataformas (Linux, FreeBSD, OS-X, Solaris), sua versão 1.0alpha contará com ajuda do projeto SK1, e deverá trazer boas e necessárias novidades.
  • SK1 0.9.1 (sk1project.org)
    • Um projeto bom e concreto, mas já descontinuado. Uniram forças com o Skencil e modificaram o nome para PrintDesign (print-design.googlecode.com), levantam sem medo a bandeira "CorelDraw Like Program" e impressionam pelo fino acabamento e por serem os desenvolvedores do UniConvertor (converte arquivos CorelDraw e Ilustrator para vários outros formatos), que é usado inclusive pelo Inkscape.

Contei com a ajuda preciosa da minha namorada pra fazer esta postagem, coloquei ela pra testar esses programas e anotar as primeiras impressões; já que é ela quem mexe com design gráfico, e está bastante acostumada ao CorelDraw. Tivemos alguma dificuldade para avaliar detalhadamente, e uma limitação de tempo e espaço, não quero que esta postagem seja tediosa de ler! Por isso decidi fazer algo mais enxuto e direto avaliando os seguintes importantes critérios:

  1. Qualidade de métodos de seleção e manipulação de objetos
  2. Qualidade da interface gráfica
  3. Ferramentas disponíveis
  4. Compatibilidade de comandos em relação ao CorelDraw
  5. Ocorrência de falhas, bugs e comportamentos inesperados
  6. Opções de Importação e Exportação de arquivos
  7. Tradução para Português

Sendo assim pontuamos cada critério com uma nota de 0 a 10, formando a tabela:

Critério  Skencil  Xara  Inkscape  SK1
1  0  10  10  8
2  0  10  10  9
3  4  6  8  5
4  2  8  9  7
5  0  10  7  10
6  6  8  10  10
7  10  0  10  9
Total  22  52  64  58

Descobrimos então que a fama do Inkscape não é atoa, é atualmente a melhor opção para desenho vetorial para Linux. Minha namorada concluiu inclusive dizendo que adorou o programa, principalmente a ferramenta spray, e que na verdade a migração é apenas uma questão de costume. Porém fez ressalva à performance, foi o motivo da baixa nota no critério 5.

O oposto aconteceu com o Skencil, e não é por menos, ele deixa muito a desejar, além de ser muito básico, possui problemas na renderização de objetos, e um estranho problema no menu "Arquivo", que só fixa se pressionando continuamente o botão esquerdo do mouse. Selecionar objetos também é um custo, tendo que acertar no contorno do mesmo.

Os campeões de Importação e Exportação são o Inkscape e o SK1 (motorizados com o UniConverter), veja a lista de todos as opções suportadas, além das mais comuns (jpg, bmp, gif, ico e etc...), é claro:

  • Inkscape
    • Importa: svg, pdf, ai, wpg, ggr, ps, xaml, cmx, cdt, cdr, ccx, sk1, dxf, eps, wmf, ai.svg, cgm, hpgl, "Open Clip Art"
    • Exporta: svg, svgz, pdf, ps, pov, fx, odg, tex, hpgl, xcf, xaml, dxf, wmf, sk1, gpl, e compactados zip
  • Xara
    • Importa: xar, art, pcf, pnm, ppm, psd, xpm, ai, eps, svg, svg.gz, pgm, pbm, tiff
    • Exporta: eps, xar, pcd, pdf, pict, pnm, psd, xpm, tiff, xpm, ai, eps, svg, svg.gz
  • SK1
    • Importa: sk1, sk, ai, eps, cdr, cmx, ccx, svg, wmf, cgm, aff, plt, fig, pcx, psd, tiff, pbm, ppm
    • Exporta: sk1, sk, ai, pdf, ps, cgm, svg, wmf, plt
  • Skencil
    • Importa: sk, wmf, cgm, svg, ai, aff, fig, e compactados gz e bz2
    • Exporta: sk, svg, ai, pdf, wmf, cgm

Percebam que todos suportam SVG, uma verdadeira vantagem de usar programas livres, afinal você tem a liberdade de portar seu projeto para qualquer um desses softwares e outros também sem qualquer dificuldade. Nota-se que os projetos livres têm o interesse de manter a compatibilidade, não só com o Corel, (que hoje em dia ele nem é lá essas coisas, mas ainda está bastante difundido) mas também mantém compatibilidade com o Adobe Ilustrator.

Finalizando, gostaria de deixar uma referência ao Scribus, um software específico para diagramação, e que parece ser muito bom, que acabei encontrando nas pesquisas da vida!

Newsletter
Assunto: Software | Comentários(0) | Postado por André EXPANDIR

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 

Feed RSS Boletim de novidades via email Siga-me no twitter
Lab de Garagem Lubuntu Espírito Livre Seja Livre .org

FRASE DO DIA

spacer

A ideia que não envolve perigo não chega a ser ideia.

Oscar Wilde


bottom