top

Principal

Blog

MAR 12 2009
Comentar Busca Avancada Em PDF

Cabo S-Video / RCA para interligar notebooks na TV

A muito tempo estava para fazer isso, mas infelizmente o tempo era curto demais. Bom, neste começo de aulas tive um tempinho para me dedicar aos projetos que ainda não tinha findado!

Trata-se de um cabo para ligação de notebooks na televisão, sendo este cabo composto por uma ponta RCA (popularmente conhecido como audio-video) e a outra ponta um conector tipo S-Video (Y/C).

Existem no mercado vários tipos de adaptadores para estes conectores, porém nenhum deles funciona para notebook, porquê diferente das placas de vídeo com saídas para TV de desktops, as saídas de vídeo dos notebooks em geral não soltam sinal a todo tempo, e sim apenas quando detectada a presença de um consumidor (digamos assim) na outra ponta do cabo.

Sendo assim, muitas pessoas tentam usar estes adaptadores e não conseguem passar os vídeos para a TV. Nem mesmo usando as teclas Fn + F7 ou Fn + F5 (dependendo da marca do note). Isso porquê o notebook não detectou a presença do consumidor de sinal.

Pensando nisso é que construi o seguinte cabo:

cabo s-video/rca pronto

Para fabricá-lo será necessário:

  • 1 cabo tipo S-video ou 2 conectores do mesmo tipo
  • 1 conector tipo RCA
  • cabos ou fios
  • 1 botão liga/desliga sem trava
  • Fita adesiva de cola mais forte (durex) ou espaguete termo retrátil
  • Fita isolante
  • Ferro de solda e estanho
  • Multímetro

O multímetro serve apenas para medir a resistência dos pinos a fim de descobrir que pino corresponde a que fio, e vice-versa. Você poderá ultilizar qualquer outro método que conhecer ou achar melhor, se não possuir este instrumento.

No meu caso aproveitei um botão de uma placa velha de telefone, e este mesmo tipo de botão é facilmente encontrado nos cabinetes ATX. Também já fiz ultilizando um botão de mouse estragado.Tente aproveitar ao máximo a sucata que você tiver em casa.

detalhe botao sem trava

A ligação é muito simples, o segredo do funcionamento está no botão, que vai curto-circuitar (acalme-se não pega fogo!) três linhas da conexão fazendo com que o notebook seja enganado e libere o sinal de vídeo.

Após o curto-circuito, o sinal é liberado e a função de transmissão para TV já deve estar liberada, porém o curto não deve permanescer, se não o sinal não sairá devidamente na televisão, por isso o botão deverá ser sem trava. Então, o funcionamento é basicamente plugar o cabo nos respectivos conectores, pressionar o botão e ativar a saída de vídeo (apertando Fn+F7 em alguns notebooks), soltar o botão e assistir o que quiser do computador na TV!

s-video mapa de ligacao
Para facilitar a explicação e exemplificação, nomeei os pinos do S-Video de 4 pinos como A, A, B e B, sendo que os pinos A e B são parte do mesmo fio em alguns cabos - por isso chamei-os assim.

rca mapa de ligacao
Aqui a outra ponta do cabo, na ligação o conector RCA deve conter três dos pinos vindos do S-video (A, B e A), o outro pino(B) ultilizaremos apenas na hora de curto-circuitar com o botão.

Abaixo o esquema de ligação do cabo:
esquema de ligacao do cabo s-video/rca
O botão quando pressionado deverá interligar as linhas A+B e B.

Vale lembrar que este cabo funciona para notebooks com S-Video de 4 pinos, nunca tentei fazer com o de 7 pinos... Testei com meu notebook Sony Vaio VGN-FE550G que possui placa de vídeo da Intel 945GM (a mais comum para notebooks atualmente) com várias televisões, sem problemas.

Ainda não testei com outros notebooks, por falta de oportunidade, mas se algum problema eu tiver, direi aqui!

Newsletter
Assunto: Hardware | Comentários(5) | Postado por André EXPANDIR
FEV 13 2009
Comentar Busca Avancada Em PDF

Transforme seu lixo eletrônico em peças úteis! Bancada de testes de eletrônica

Este é provavelmente meu invento mais útil...

Na faculdade eu me lembro de ter visto algumas bancadas para teste de eletrônica, ficam na sala de circuitos lógicos, lá fazíamos os laboratórios de circuitos lógicos e uma vez ou outra entramos pra aula prática de materiais elétricos.

Bom, o fato é que esta sala (assim como quase tudo realmente interessante na facu) fica bem inacessível a aulos comuns como eu (os que não são amigos de professores, ou que não estão fazendo um projeto qualquer e têm acesso etc etc). E esses tais equipamentos são um tanto que caros, e na minha opinião difíceis de encontrar, procurei na internet como "bancada eletronica", "laboratório eletronica"... e não encontrei nada pra vender... Provavelmente porquê este não é o nome deste troço aí...

Daí então, eu resolvi fazer o meu próprio, com peças de sucatas ou que não têm mais ultilidade, ou peças de baixo custo. Voltado principalmente para testes em microcontroladores, que é o que eu mais mecho, ou o que mais me interessa! Sinta-se avontade se desejar adaptar a idéia para suas necessidades!

Uma breve lista de materiais que eu use para fazer a mini-bancada:

  • Gabinete obsoleto (preferencialmente de metal mais mole - facilita o corte, ou o mais velho, que não vai ser mesmo usado)
  • A fonte de computador é claro
  • Pedaços de chapa de madeira - usei um prensado perfurado, também material obsoleto
  • Pedaços de tarugos de madeira - uns cubos de madeira
  • Chave liga/desliga se for fonte ATX
  • LED + resistor
  • Auto-falante / Buzzer - encontrado nos gabineste e em telefones velhos respectivamente
  • Pinos para conexão (aqueles que têm em placas-mãe - pode-se comprar facilmente em eletrônicas também, eles vêm em barras)
  • Conectores tipo banana - meio caros, porém melhor opção para o que desejei fazer
  • Parafusos diversos
  • Suporte de prateleira - encontrado em madeireiras ou lojas de materiais para fabricação de móveis
  • Puxador, de preferência um de aço (para aguentar o peso e não perder a rosca)
  • Feixo rolete - também encontrado em lojas de materiais para móveis
  • Dobradiças pequenas - também encontrado em lojas de materiais para móveis
  • Chapa de isopor

Uma pequena lista de ferramentas necessárias:

  • Serra tico-tico ou serra circular ou segueta
  • Microretífica - subistida por segueta + lima
  • Chave philips / chave fenda
  • Equipamentos de proteção individual
  • Furadeira + brocas para metal ou madeira
  • Plaina manual ou lixa e bastante "muque"
  • Alicate de corte

 

estrutura do gabinete cortado
O primeiro passo é cortar o gabinete na diagonal, de maneira que ele tenha um certo apoio... O corte não precisa ficar perfeito, use uma regua grande ou uma ripa de madeira para ajudar a riscar e simular o apoio.
Corte também a madeira (para o tampo superior) do tamanho devido!

Primeiramente para cortar a estrutura, retire os suportes de HD e CD-ROM, para livrar o caminho da serra

Para retirar alguns rebites da estrutura do gabinete, use a furadeira para furar o miolo do rebite e retire o resto com um alicate de corte

estrutura da bancada com chapa e botoes fixados
Com o que restar do gabinete faça o "remendo", tampando os espaços vagos restantes. Parafuse o tampo superior e nele os componentes básicos que irá ultilizar: chave de controle da fonte, LED, conectores em geral...
Parafuse também ou fixe auto-falantes / buzzer

Não fixe no tampo componentes sensíveis por enquanto, pois você provavelmente vai virar a estrutura e provavelmente estragará o que estiver sobressalente

Procure ultilizar buracos ou a própria estrutura do gabinete / tampo para fixar os componentes

Perfure o metal do gabinete com uma broca da mesma espessura dos parafusos que deseja usar para fixar os pedaços ou componentes, afim de ultilizar a própria rosca como soberba, para economizar nas porcas. No meu caso eu ultilizei os próprios parafusos de gabinetes para fazer a fixação das peças; e neste caso, se uma porca for inevitável, ultilize os pedaços de gabinete inultilizados que têm rosca feita - como o suporte para as placas PCI e etc...

Use a lima ou microretifica ou esmeril / lixa para tirar o corte do metal no lugar do corte. Quem meche com montagem de PCs sabe que este metal pode ser bastante cortante, ainda mais quando não há acabamento nas beradas cortadas

bancada em varios angulos
Com os tarugos de madeira, faça o acabamento das beradas e a base para fixação do tampo inferior. Aqui fix também um espaço com tampa para guardar os materias de elétricos e componentes. O feixo rolete é usado para fixar com pressão a tampinha e o buraco feito na tampinha é para puxar a portinha fabricada, já que um puxador ficaria sobresalente demais e atrapalharia o apoio da base

Evite ao máximo colagens na estrutura, principalmente onde poderá ser necessário manutenção. Usando só os parafusos fica mais fácil desmontar a estrutura para ajustes ou consertos

Retire os restos de parafusos que por ventura ficarem sobresalentes, para evitar ferimentos posteriores. Isso pode ser feito facilmente com a microretifica ou com uma sequeta e mais muque!

Com a plaina ou lixa, tente deixar a base de fixação (feita com os tarugos) num mesmo plano. Esta fase é essencial para que a estrutura não fique mancando

Para fazer o tarugo de madeira como base, fiz um rasgo central com uma serra circular - também dá pra fazer com a microretífica - e depois encaixei e parafusei na chapa do gabinete

bancada com porta e puxador
Usei no compartimento que fiz para guardar os componentes, uma chapa de isopor, que é facilmente encontrada nas caixas de aparelhos eletro-eletrônicos. Esta chapa serve para fixar os CIs ou componentes soltos que você tiver. Sempre guardo os componentes menores em sacos plásticos para evitar que eles escapem pelos orifícios da chapa ou pelo puxador improvisado!
Este pezinho improvisado foi feito com um suporte de prateleira parafusado na estrutura. E serve muito bem para evitar que os parafusos arranhem a base de apoio e também deixa a estrutura nivelada mais facilmente, sem mancar de nenhum lado.
O puxador serve para facilitar o transporte da estrutura, no meu caso, isso vai ser muito útil, porquê sempre preciso carregar de um lado para outro meu ambiente de trabalho e diversão! Para este fim, procure um ponta de estoque reforçado.

Para fixar a chapa de isopor use cola branca em poucos pontos, ou qualquer outra cola mais fraca, para no caso de você precisar tirar para fazer alguma manutenção

Bom, até aqui foi a base estrutural da bancada, simples, porém forte, leve, versátil, de fácil e barata manutenção. Ela oferece uma ampla gama de tensões (ATX | -12 | -5 | Terra | 3.3 | 5 | 12 volts - além das possíveis combinações fazendo as tensões negativas como referência) a um bom custo/benefício e com corrente suficiente para a maioria dos circuitos eletrônicos.

Para o meu laboratório, vou ainda adicionar um display LCD, um teclado numérico de telefone sucateado, protoboard, uma carreira de LEDs + resistores para usar com 5 e 12 volts, além de uma ponta dos conectores com uma tensão regulável de 1.2 a 24 volts.

Newsletter
Assunto: Hardware | Comentários(1) | Postado por André EXPANDIR
JAN 17 2009
Comentar Busca Avancada Em PDF

PC com memória flash - instalando o Windows XP num pen drive

O primeiro passo para instalar o S.O. (Sistema Operacional)  num pen drive é ligar o pen drive no PC, lógico. Então fabriquei este conector para plugar o pen drive na placa-mãe e o conjunto ficar dentro do gabinete. A idéia inicial era pregar um velcro entre o açoalho do gabinete e o drive USB.

extensao usb
Este foi o conector USB mais "decente" que eu já fiz. Comprei quase todo material em lojas de eletrônica (com exceção do cabo flat)

extensao usb dentro do gabinete
Aqui vemos como ficou o conjunto, a adaptação funcionou muito bem.

Para bootar um S.O. pelo USB a placa-mãe deve logicamente suportar boot pelo drive USB. Isso pode ser verificado no manual da sua placa, ou dando uma navegada pelas opções de boot na BIOS da sua placa, se for o caso.

Em segundo lugar para o boot funcionar, o drive deve ser "bootável", explicando melhor, ele deve conter um setor de boot de onde a placa-mãe arrancará o S.O. E há várias maneiras de tornar um drive desses bootável.

  1. Usando um software específico para copiar o conteúdo de um disquete inicializável MS-DOS para o drive (não lembro o nome)
  2. Capturando os arquivos específicos de boot do MS-DOS e transferindo-os para o drive com o software HP USB Disk Storage Format Tool
  3. Usar o software BartPE Builder para criar uma incialização com um sistema live
  4. Ou recuperando um backup de uma patição com um S.O. instalado através do Norton Ghost (método que eu usei)

A partir do momento em que se tem o drive inicializável, é preciso instalar o sistema no drive através de um CD modificado (como normalmente se faz), ou modificar um sistema já instalado, como é o caso deste link que encontrei.

Porém, esta última solução, achei um bocado complicado, e não quis perder mais tempo do que já tinha perido tentando algo que eu nem sei se conseguiria fazer, além do mais, eu ainda teria que baixar alguns softwares auxiliares para fazer aquela parafernalha toda.

Assim, resolvi ficar com a opção de criar um CD modificado do windows XP - no meu caso modifiquei um XP com SP3 integrado - adaptando o sistema para trabalhar dentro da realidade e das limitações do drive USB. São elas:

  1. Esses drives têm vida útil limitada para escrita - então desabilita-se a indexação (pagefyles.sys) do sistema, tornando-o mais lendo ainda (já que só de estar com drive USB limita-se a transferencia ao barramento da porta) porém esta política economiza muitas escritas no drive.
  2. Para acessar os arquivos de sistema a paritr do drive, têm-se que montá-lo antes de qualquer coisa durante o processo de inicialização

Acesse este link fonte se você deseja fazer o processo. Nele também contém explicações mais detalhadas, em inglês, porém. Além disso uma listinha dos equipamentos em qual a façanha foi testada (já que a microsoft nega a possibilidade de fazê-lo).

Para fazer modifiquei imagem do XP, o processo é feito através da extração e modificação de alguns arquivos do CD, e depois (re)inseri-los na ISO, só depois gravar, e instalar. Lembrando que se no momento da instalação o drive não for bootável, a instalação não continuará depois da fase de cópia dos arquivos.

Depois de instalado e testado, achei não muito conveniente usar o desktop daquele jeito, o computador ficou muito mais lento para ligar totalmente, e sempre dá um erro dizendo que o arquivo de indexação não tem tamanho recomendado (ou algo parecido), e o pior a placa-mãe que eu instalei (PCChips P17G) não inicia o sistema sem um drive IDE qualquer colocado - algumas placas têm esse porém.

A minha idéia de economizar com o HD para computadores que ficariam apenas como terminais de vendas foi por água abaixo, talvez se fossem linux, seria menos frustrante, mas neste caso não teve jeito, o progama que será usado para vendas simplesmente é feito com Delphi. Pelo menos, a experiência e o conhecimento foram válidos!

 

Newsletter
Assunto: Software | Comentários(0) | Postado por André EXPANDIR

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 

Feed RSS Boletim de novidades via email Siga-me no twitter
Lab de Garagem Lubuntu EspĂ­rito Livre Seja Livre .org

FRASE DO DIA

spacer

Mas a ambição do homem é tão grande que, para satisfazer uma vontade presente, não pensa no mal que daí a algum tempo pode resultar dela..

Nicolau Maquiavel


bottom